Maximize o Resultado da sua Empresa pela Gestão Eficaz dos Custos e das Despesas

“Quando todas as medidas são tomadas para uma gestão eficaz dos custos e das despesas, a empresa terá grandes possibilidades em maximizar os seus resultados.”

Boletim de Gestão Econômico-Financeira de Empresas
ANO II – Vol XVIII
Junho 2017
Professor João Daniel Quagliato

Alguém disse certa vez que “custo é como unha: tem que cortar sempre”. Esse é o dilema do gestor: como cortar os custos e as despesas da empresa sem diminuir a qualidade do produto e/ou do atendimento aos clientes?

Embora possa parecer complexo, na verdade, promover uma redução de custos e de despesas na empresa passa, num primeiro momento, muito mais pelo critério político do que técnico. É evidente que o agente que irá promover a redução deve ter conhecimento técnico para promover melhorias no processo de produção e em outras áreas da empresa, mas mesmo assim é necessário criar um ambiente favorável na empresa para que surjam as possibilidades de redução de custos e de despesas necessárias.

Como isso é possível na prática? Abaixo temos uma Demonstração de Resultados de uma indústria estruturada de forma sintética. Nela, estão contemplados os elementos que são operacionalizados, num determinado período, e que formarão o resultado da empresa. Os valores estão considerados pelo regime de competência, ou seja, existe uma relação de funcionalidade e tempo entre eles. Com uma rápida varredura em alguns dos valores, poderemos visualizar possibilidades de reduções.

Itens R$
Receita Bruta 110.000,00
(-) Tributos sobre a Receita Bruta 37.250,00
Receita Líquida 72.750,00
(-) Custos dos Produtos Vendidos 50.000,00
Lucro Bruto 22.750,00
(-) Despesas Operacionais 12.750,00
Lucro Operacional 10.000,00
(+) Resultados Não Operacionais 0,00
Lucro antes dos Tributos sobre o Resultado 0,00
(-) Tributos sobre o Resultado 2.400,00
Lucro Disponível 7.600,00

Esta é uma situação bem simplificada de uma Demonstração de Resultado Trimestral de uma empresa industrial optante pelo regime de tributação do Lucro Real trimestral. Nas demais situações, não diferem muito as possibilidades.

1ª. Possibilidade de Redução de Custos:

No item Tributos sobre a Receita, estão contemplados o IPI, o ICMS, a COFINS e o PIS. Em linhas gerais, as alíquotas desses tributos são diferenciadas nos regimes de tributação existentes no Brasil, e quando não por enquadramentos fiscais. Para isso, é interessante que no início de cada ano a empresa faça uma simulação de sua operacionalidade para o ano e verifique se ela está dentro do regime ideal de tributação. A empresa poderá, em alguns casos, descobrir que está pagando tributos desnecessariamente aos cofres públicos;

2ª. Possibilidade de Redução de Custos:

No item Custos dos Produtos Vendidos, estão contemplados, basicamente, Mão de Obra Direta, Materiais Diretos e Custos Indiretos de Fabricação, ou seja, os recursos necessários para a fabricação do produto vendido pela empresa. Visto que esse bloco de custos representa um percentual considerável na estrutura organizacional, é evidente que nele estão as maiores possibilidades de redução.

Nesse caso, se torna imperativo ao analista o conhecimento técnico do processo de produção da empresa, pois a forma como eles estão operacionalmente desenhados podem comprometer o resultado da empresa. Nesse bloco, o item MOD está sofrendo reduções em sua participação em função das tecnologias que vão sendo instaladas no processo produtivo.

É importante ressaltar, em linhas gerais, que os custos integrantes e os custos decorrentes da Mão de Obra Direta são básicos em qualquer regime de tributação, mas os encargos incidentes sobre a MOD assumem valores diferenciados na estrutura de custos da empresa dependendo do regime escolhido.

No item Materiais Diretos, compostos basicamente pelas matérias-primas e material de embalagem, é importante explorar as possibilidades de substituição por outras de custo menor, atentando, evidentemente, para a sua qualidade.

Durante o processo da compra, também há possibilidades de redução pela forma como ocorre a negociação. Há outras possibilidades, como o próprio critério a ser utilizado para avaliar o estoque desse item.

Outro bloco dos custos dos produtos são os Custos Indiretos de Fabricação. Não sendo possível a sua apropriação de forma direta, são reconhecidos nos custos em forma de rateios, que na sua grande maioria são arbitrários e comprometem o resultado na categoria individualidade dos produtos, ou seja, pela má utilização de formas de rateio a empresa poderá estar sobrecarregando produtos rentáveis com custos que deveriam ser apropriados a produtos que se tornariam não rentáveis se fossem escolhidos critérios mais realistas.

Outro ponto a ser destacado aqui é a depreciação das máquinas. Embora o valor do investimento seja arcado pela empresa, os métodos disponíveis na literatura dos negócios podem e influenciam os custos, bem como os prazos de recuperação dos investimentos. Nisso, conforme já informado em tela e no fato de a tecnologia estar aumentando a sua participação nos custos dos produtos, se torna importante que sejam analisadas as possibilidades à disposição para proceder com esse item importante do custeamento dos produtos.

3ª. Possibilidade de Redução de Custos:

No item Despesas Operacionais estão também as grandes possibilidades da redução. Aqui estão contempladas as despesas, pois são elementos que não compõem os custos dos produtos, mas são importantes para a administração e comercialização dos produtos que geram receitas. As despesas são com honorários da administração, salários administrativos e comerciais e seus respectivos encargos, água, energia elétrica, telefone, despesas com veículos de entrega e outras despesas que, bem analisadas, poderão ter adotadas medidas para a redução de seus valores.

No fim da análise, encontramos o resultado da empresa que sofre reduções pela aplicação dos tributos sobre ele. As alíquotas desses tributos dependem do regime de tributação escolhido, e o lucro a ser distribuído poderá depender da forma como é feita a escrituração contábil da empresa.

Por fim, quando todas as medidas são tomadas para uma gestão eficaz dos custos e das despesas, a empresa terá grandes possibilidades em maximizar os seus resultados.

Caso você tenha alguma dúvida ou queira informação adicional sobre o tema abordado, entre em contato conosco para podermos ajudá-lo.

Sucesso e bons negócios!

João Daniel Quagliato é Contador; Economista; Pós-graduado em Administração Financeira, Contabilidade e Auditoria, Consultoria Contábil-Financeira; Mestre em Educação com ênfase no ensino da Contabilidade; professor nas áreas de Custos, Economia e Tributação para cursos de graduação e pós-graduação pela Universidade Adventista de São Paulo (UNASP); e, Consultor em Gestão Econômico-Financeira de Empresas.
www.quagliatoconsultoria.com.br
joaodaniel@quagliatoconsultoria.com.br
(19) 99608-0362

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *