Critérios de Rateio para os Custos Indiretos de Fabricação

“O custo de produção de uma empresa pode ser segregado em três grandes blocos de custos: Mão de Obra Direta (MOD), Materiais Diretos (MD) e os Custos Indiretos de Fabricação (CIF)”.

Boletim de Gestão Econômico-Financeira de Empresas
ANO II – Vol XXI
Setembro 2017
Professor João Daniel Quagliato

Uma das grandes preocupações entre os gestores empresariais, nos últimos anos, é de como conviver com um cenário em que ocorre grande participação dos Custos Indiretos de Fabricação (CIF) na estrutura de custos de produção. Se, por um lado, essa crescente participação, em linhas gerais, cria um ambiente favorável para a redução de custos no processo produtivo, por outro, em linhas de produção de vários produtos, aumentam as dificuldades para a identificação de como se deve realizar a apropriação desses Custos em cada modalidade de produto fabricado.

O custo de produção de uma empresa pode ser segregado em três grandes blocos de custos: Mão de Obra Direta (MOD), Materiais Diretos (MD) e os Custos Indiretos de Fabricação (CIF). Embora haja muita controvérsia quanto à Mão de Obra Direta, os dois primeiros são apropriados aos produtos de forma direta.

O terceiro (Custos Indiretos de Fabricação), nos últimos anos, está aumentando sua participação nos custos de produção. Isso se dá em decorrência da presença cada vez mais forte da tecnologia nos meios de produção, e tudo sinaliza para um potencial de crescimento ainda maior desse bloco de custos nos próximos anos.

Exceto algumas metodologias para mensurá-lo de forma mais acurada, como é o caso do Activity Based Costing (ABC), conhecido no Brasil como Custeio Baseado em Atividades, as demais metodologias para distribuí-los entre os produtos utiliza-se de rateios que, na maioria das vezes, são feitos escolhidos de forma arbitrária.

Neste boletim, vamos apresentar alguns exemplos de como são feitos esses rateios entre os produtos fabricados pela empresa utilizando a Mão de Obra Direta como referencial para o rateio.

Antes de iniciarmos, é importante que o leitor entenda que, ao utilizarmos um elemento de custo como vetor para esses rateios, estaremos, em linhas gerais, aceitando que os componentes dos Custos Indiretos de Fabricação (mão de obra indireta, depreciação, manutenção de instalações, manutenções de máquinas e de equipamentos, alugueis e outros) se movimentam na estrutura de custos dos produtos na mesma direção do vetor referência para o rateio.

Essa é uma hipótese arriscada de se configurar na prática, haja vista a dinâmica desses custos na estrutura de produção da empresa.

No exemplo a seguir, tomaremos como exemplo uma empresa que fabrica três produtos em sua linha de produção. São eles: ALPHA, BETHA e GAMA. Apresentaremos, abaixo, as informações a serem utilizadas:

1. Mão de Obra Direta:

 

Itens / Produtos ALPHA BETHA GAMA
Produção 10.000 unidades 15.000 unidades 20.000 unidades
MOD – R$ 40,00 45,00 50,00
Total – R$ 400.000,00 675.000,00 1.000.000,00

2. Materiais Diretos:

 

Itens / Produtos ALPHA BETHA GAMA
Produção 10.000 unidades 15.000 unidades 20.000 unidades
MD – R$ 90,00 85,00 80,00
Total – R$ 900.000,00 1.275.000,00 1.600.000,00

3. Custos Indiretos de Fabricação:

 

Itens Valor – R$
Custos Indiretos de Fabricação 01 4.000.000,00
Custos Indiretos de Fabricação 02 2.500.000,00
Outros Custos Indiretos de Fabricação 1.500.000,00
Total 8.000.000,00

Conhecidos os Custos Indiretos de Fabricação, devemos encontrar o percentual de participação de cada um dos produtos no custo total com a Mão de Obra Direta. Para isso, devemos dividir o total de Mão de Obra Direta de cada produto pelo custo total de Mão de Obra Direta dos três produtos e multiplicá-los por 100,00%. Com isso, encontraremos os percentuais demonstrados na última coluna do quadro a seguir.

Itens Valor – R$ %
MOD Produto ALPHA 400.000,00 19,28
MOD Produto BETHA 675.000,00 32,53
MOD Produto GAMA 1.000.000,00 48,19
Total 2.075.000,00 100,00

Com os percentuais de participação de cada produto no custo total de Mão de Obra Direta, o próximo passo é distribuir os Custos Indiretos de Fabricação na mesma proporção encontrada no quadro anterior, como segue:

Produto ALPHA:

[R$ 8.000.000,00 x (R$ 400.000,00 / R$ 2.075.000,00)] = R$ 1.542.168,67

Produto BETHA:

[R$ 8.000.000,00 x (R$ 675.000,00 / R$ 2.075.000,00)] = R$ 2.602.409,54

Produto GAMA:

[R$ 8.000.000,00 X (R$ 1.000.000,00 / R$ 2.075.000,00)] = R$ 3.855.421,69

No quadro a seguir, temos o total dos Custos Indiretos de Fabricação distribuídos para cada um dos produtos em função da participação do custo da Mão de Obra Direta de cada produto em relação ao total consumido com esse elemento de custo.

Explicação: Entendemos, por essa metodologia, que a empresa consome – em termos de proporcionalidade, em cada modalidade de produto (ALPHA, BETHA e GAMA) com os Custos Indiretos de Fabricação, que são custos não identificáveis – o mesmo que ela consome com a Mão de Obra Direta de cada modalidade de produto em relação ao consumo com esse item de custo.

Itens Valor – R$ %
MOD Produto ALPHA 1.542.168,67 19,28
MOD Produto BETHA 2.602.409,64 32,53
MOD Produto GAMA 3.855.421,69 48,19
Total 8.000.000,00 100,00

Em seguida, podemos calcular o custo médio unitário para cada um dos produtos considerando os custos com a Mão de Obra Direta, os Materiais Diretos e os Custos Indiretos de Fabricação. Esse cálculo encontra-se demonstrado no próximo quadro.

Produto ALPHA Produto BETHA Produto GAMA Total
MOD 400.000,00 675.000,00 1.000.000,00 2.075.000,00
MD 900.000,00 1.275.000,00 1.600.000,00 3.775.000,00
CIFs 1.542.168,67 2.602.409,64 3.855,421,69 8.000.000,00
Total 2.842.168,67 4.552.409,64 6.455.421,69 13.850.000,00
Produção 10.000 15.000 20.000
Custo Médio 284,22 303,49 322,77

É importante ressaltar que para distribuir os Custos Indiretos de Fabricação aos produtos há necessidade de algum critério de rateio, pois eles não podem ser alocados de forma direta aos produtos fabricados. A seguir, temos um quadro demonstrando alguns dos diferentes e possíveis critérios de rateio existentes. Notemos que os resultados, dependendo da configuração dos elementos de custos, apresentam custos médios diferentes.

Custos Médios / Produtos Produto ALPHA – R$ Produto BETHA – R$ Produto GAMA – R$
Rateio da Mão Obra Direta 284,22 303,49 322,77
Rateio pelos Materiais Diretos 320,73 310,13 299,54
Rateio pelos Custos Diretos 307,78 307,78 307,78
Rateio pela Produção 307,78 307,78 307,78

Com isso, fica a seguinte pergunta a ser respondida: Qual é o melhor critério de rateio a ser utilizado? Responder a essa pergunta não é tão fácil assim, pois depende muito da atividade da empresa e da configuração dos custos.

Enfim, são vários os elementos que deverão ser considerados para a escolha do melhor critério de rateio. Por ora, a recomendação é: Elabore um mapeamento dos custos envolvidos no processo de produção ou na estrutura de custos de sua empresa e verifique como eles se movimentam em relação aos itens demonstrados no último quadro deste Boletim e estabeleça o critério mais adequado.

Caso você tenha alguma dúvida ou queira informação adicional sobre o tema abordado, entre em contato conosco para podermos ajudá-lo.

Sucesso e bons negócios!

João Daniel Quagliato é Contador; Economista; Pós-graduado em Administração Financeira, Contabilidade e Auditoria, Consultoria Contábil-Financeira; Mestre em Educação com ênfase no ensino da Contabilidade; professor nas áreas de Custos, Economia e Tributação para cursos de graduação e pós-graduação pela Universidade Adventista de São Paulo (UNASP); e, Consultor em Gestão Econômico-Financeira de Empresas.
www.quagliatoconsultoria.com.br
joaodaniel@quagliatoconsultoria.com.br
(19) 99608-0362

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *